EM SESSÃO POLÊMICA VEREADORES DE ITAPEBÍ ABRE DUAS CPIs PARA INVESTIGAR GOVERNO

Como publicado em matéria ontem terça-feira (16), A situação foi realmente tensa na Câmara Municipal de Itapebi. Legislativo e representantes do Executivo, literalmente, estiveram em pé de guerra e todos os pronunciamentos foram motivo para gritos, troca de acusações entres os lados principalmente na plateia da câmara municipal.




O presidente da Câmara de Itapebi, o vereador Leonardo Ribeiro dos Santos “Leo de Noeme” (PSB) – acatou na noite desta terça-feira (16) requerimento para abertura de duas Comissões Parlamentares de Inquéritos (CPIs). O documento, assinado pelos vereadores Paulinho de Fifia (PSD), Paraíba (PRB) e Anthero Botelho (PP) garante que terá curso investigações da Casa Legislativa no que diz respeito aos processos de Reformas de escolas suspeitos de suposto uso indevido de verbas públicas e irregularidades na aquisição e uso de combustíveis.
A partir desta quarta-feira (17), os vereadores serão notificados e deverão ser formadas as comissões com Presidentes, relatores e membros.  As Comissões terão 120 dias (prorrogáveis por mais 60) para encerrar os trabalhos e encaminhar o relatório para as entidades responsáveis.





Em um plenário cheio, houve muita comemoração, aplausos e munícipes emocionados além de muitas vaias quando da chegada do grupo de apoio à base aliada liderada pelo secretário de Administração/Governo Florisvaldo da Silva Nunes dentre outros secretários.
Conforme imbróglio formado na mesa diretora entre o presidente, o departamento Jurídico da casa Doutor Luciano Genner (Dr. Zeo), e o Vereador e primeiro secretário que tentava incluir uma representação Propondo DESTITUIR o presidente vereador Leonardo Ribeiro dos Santos (Leo de Noeme) da presidência da mesa diretora da câmara municipal.  O requerimento não estava escrito na pauta, e, conforme o advogado a lei orgânica do município não previa a leitura e apreciação de tal requerimento desta forma o presidente contestou a leitura devido o mesmo não está escrito no expediente (Pauta). Contra o presidente Leo de Noeme havia uma representação.
Logo ao fim da sessão extraordinária que instaurou a CPI, Leo de Noeme comentou que a Câmara não poderia ficar alheia às revelações e denuncias trazida aquela casa e que outrora também por ele fora ignoradas. Comentou também que o governo Executivo deveria colaborar, caso nada haja de errado. Um Vereador que poderá fazer parte de uma das CPIs, disse que a CPI trabalhará mesmo quando a câmara municipal entrar em recesso e reunirá elementos a fim de traçar as estratégias para que a investigação comece logo.


A Sessão:






Um pouco antes do inicio da sessão o secretários de administração do município Florisvaldo Nunes da Silva, mais conhecido como “Nunes”, chegou acompanhado por um grupo de pessoas contestando algumas colocações feitas do plenário, houve muitas vaias por parte dos simpatizantes do grupo de oposição interferindo desta forma no andamento dos trabalhos da casa, o presidente da casa legislativa Leonardo Ribeiro mais conhecido como “Léo de Noeme”, pediu para os policiais que estavam presentes que retirasse as pessoas que estavam tumultuando a sessão inclusive o “Nunes”. Em seguida numa reunião na parte interna da casa de leis ficaram acertado que só permaneceria na plateia aqueles que estivessem sentados, os demais teriam que se retirarem do recinto, ao secretario Nunes, o Advogado Marco Adriano e a advogada Caroline Andrade foi cedido lugares e os mesmo permaneceram no recinto.





Os vereadores já declarados de oposição se manifestaram em pronunciamentos em apoio à abertura das CPIs e colocando suas ponderações e explanações sobre tudo que eles acreditam nesses dois anos que sempre foram oposicionistas e “chamando à atenção do novo componente do grupo - O presidente Leonardo, para seu empenho irrestrito e dedicado na nova forma de legislar a favor do povo”.




Em seu pronunciamento o presidente da mesa diretora Léo de Noeme, que há duas semanas virou oposição, disse:” Ainda bem que Deus nos deu o coração no lado esquerdo, pois se fosse no lado direito eu estaria morto, pois fui apunhalado deste lado”, e apontou se referindo ao primeiro secretário vereador Plinio Correria, membro da família de proprietários do Posto de Combustível que vai ser investigado pela CPI.  Leo de Noeme também fez serias denúncias ao poder executivo e relatou que seus familiares estão preocupados com sua vida, disse ainda que não tem inimizade com ninguém e o que acontecer com ele será “Crime Político”. Finalizou.

Arnaldo Alves  /  ItapebiAcontec