Trabalho de resgate da memória da cidade de Itapebi BA, e do Rio Jequitinhonha no esplendor de navegação, no auge Econômico e Social nos anos 50/60.





O Coronel Kadu Torres está realizando um trabalho de resgate da memória da cidade de Itapebi Bahia e do Rio Jequitinhonha no esplendor de navegação no auge econômica e social nos anos 50 e 60.

O trabalho está sendo feito em forma de mapa no intuito de identificar o que havia na cidade naquela época, e já está com cerca de noventa por cento pronto.


Um dos grandes destaques na pesquisa é a rua do Rabo da Gata número 29 onde se concentrava, Bancos firmas de cacau, lojas, mercados, circulação de veículos e animais de carga etc.

Segundo Kadu, na época das enchentes, o rio Jequitinhonha e toda rua do Rabo da Gata ficava com mais de um metro de água, razão pela qual a nova cidade foi construída na parte alta.


O rio Jequitinhonha na época era navegável e era por onde a maioria das cargas chegavam em várias cidades baianas.

O Jequitinhonha nasce na região da cidade de Serro, atravessa o nordeste do Estado de Minas Gerais e deságua no Oceano Atlântico, em Belmonte, no estado da Bahia. Percorre uma das regiões que já foi considerada uma das mais pobres do Brasil e do mundo, denominada vale do Jequitinhonha, mas que hoje apresenta leve desenvolvimento e projeta-se para uma região rica e desenvolvida. Perto de suas nascentes fica a cidade de Diamantina; outras cidades da bacia são Coronel Murta,Araçuaí, Itinga, Jequitinhonha, Almenara, Itaobim e outras.