Bilhete de escola de Porto Seguro contrária à greve geral provoca revolta na população



Um comunicado da Escola Mundaí, em Porto Seguro, direcionado aos responsáveis pelos alunos que estudam na instituição, gerou revolta na população. No bilhete, a direção informa que não vai aderir à greve geral desta sexta-feira (28), pois não permitirá ser intimidada pelos manifestantes, que são chamados de inúteis preguiçosos, e não vai deixar que os alunos se transformem em paus mandados de extrema esquerda.

Assustados com a conduta da direção da escola, que é uma das mais caras da cidade, muitos pais publicaram o recado nas redes sociais. Pouco tempo depois, o comunicado viralizou na internet e a escola recebeu várias críticas contrárias ao seu posicionamento.

Devido à grande repercussão que o bilhete tomou, a direção da escola enviou outro comunicado informando que respeitava as manifestações, mas não concordava com algumas medidas tomadas pelos manifestantes, como os bloqueios de vias públicas, além de dizer que considera vagabundagem as atitudes de certos manifestantes.

DIRETOR JÁ FOI DENUNCIADO AO MP

Em setembro de 2006, o G1 publicou uma notícia sobre uma denúncia feita ao Ministério Público por mães de alunos da Escola Mundaí depois que proprietário e diretor da institutição, o americano Robert Goldberg, publicou em seu perfil no Orkut uma foto em que aparece usando um capuz e segurando uma arma.

Na ocasião, o diretor explicou que a sua intenção era "causar polêmica, denunciar que a internet pode veicular bons e maus conteúdos".

Por:Bahiadiaadia
Compartilhar no Google Plus

Redator Obaianao

2 comentários:

  1. Prezada Redação. A atitude "politicamente correta" era aderir à greve ou cala a boca. Também o "correto" é sentar silenciosamente no seu carro por 5 horas enquanto "manifestantes" queimam pneus e bloqueia vias públicas, com o pleno respaldo da polícia. Como jornalistas vcs sabem bem que há pelo menos dois lados de cada história. Esse outro lado queima nas tripas de tantas pessoas de bem que só quer ir de ponto "A" a ponto "B". Mas não podemos. Não temos escolha. Pior é que nem podemos expressar uma opinião divergente sem ser atacados pelos "bullys" do "polícia dos pensamentos". Basta falar algo que contrarie os grevistas AGRESSIVOS E VIOLENTOS e a notícias só falam de "revolta" da população. Caso queiram, serei o bode expiatório, mas saibam BEM que minha opinião reflete os pensamentos de inúmeros milhões de cidadãos de bem, senão a maioria. Saliento que questão da previdência é super legítima, mas não será resolvida por violência. O direito de livre expressão não pertence a uma específica ideologia, mas a TODOS. Infelizmente certas pessoas somente toleram a livre expressão quando as ideias expressadas as agradam. ISTO é coisa de dá REVOLTA, não? Finalizo afirmando que as opiniões expressadas NÃO refletem necessariamente as posições dos estimados professores, alunos e os responsáveis afiliados à nossa Instituição. Respeitosamente, Robert - Diretor - Escola Mundaí

    ResponderExcluir
  2. Se fosse um brasileiro com essa atitude no pais dele ai do Deus para ter misericordia

    ResponderExcluir

Comentários com palavras de baixo Calão ou que ofenda a moral de alguêm não serão liberados.